domingo, março 31, 2013

OS ENSINAMENTOS LOGOSÓFICOS...




                                OS ENSINAMENTOS LOGOSÓFICOS...

                                             Marco Aurélio Chagas

Muitas vezes não deixo que trabalhem dentro de mim.

Às vezes, os interrompo em seus conselhos, imaginando que já entendi o que queriam me transmitir.

Por vezes não os ouço. Faço de conta que não é comigo.

Em outras ocasiões, eles me caem como uma luva e desfruto intensamente dos benefícios que me fazem experimentar.

Sinto uns mais que outros.

Há certos que penso: foram criados para mim.

Alguns me são incompreensíveis.

Outros, os considero inacessíveis e muito profundos.

Há os de fácil aplicação.

Quando estou bem internamente os quero a todos e me sinto um privilegiado por tê-los a minha disposição a todo o instante.

Procuro ler todos os dias alguns. Estudar outros e manter em minha mente aqueles que me dizem algo sobre a minha vida.

Em raras ocasiões felizmente eu me canso de alguns que me cobram alguma conduta que meus pensamentos não querem ter.

Muitos me agradam e sempre os recordo com carinho e afeto.

Há os que têm um lugar de honra em minha mente e sentir.

Há os que me repreendem e me fazem seguir o método.

Há os que vêm à recordação em momentos que deles necessito profundamente.

Sempre encontro um que tem a ver com meu estado de ânimo.

Há os que me transmitem um estado de profunda reflexão.

Certos me explicam situações que vivi e compreendo melhor os estados por que passei.

Já identifiquei os que agradam ao meu espírito. Outros acalentam minha alma.

Há aqueles que acalmam minhas inquietudes. E os há que despertam outras mais profundas.

Em muitos, encontro um conselho, uma orientação, um norte.

Outros me advertem do perigo e me fazem ter cautela ao atuar.

Há os que me despertam para uma realidade que jamais poderia imaginar.

Muitos me sugerem ideias originais.

Outros são verdadeiras normas de conduta.

Há os que me descortinam um mundo a ser vivido iluminado pelo conhecimento.

Certos definem posições almejadas.

Muitos me mostram que a vida é muito mais ampla do que parece.

Alguns são tão delicados que dão a sensação de que poderiam se espedaçar ao serem tocados pela mente especulativa.

Existem os que se explicam por si. Há outros que se completam.

Há os que infundem vigor, valentia e a sensação de força, fortaleza.

Identifiquei alguns que descortinam a minha intimidade sem devassá-la, ao contrário, a protegem

Muitos se dirigiam a minha consciência.

Há os que ficam em minha mente muito pouco tempo e eu não consigo retê-los como deveria.

Há aqueles que fazem às vezes de consciência e me impedem de errar e praticar desacertos.

Há os que me poupam do sofrimento.

Já percebi que alguns são brincalhões e despertam em mim a alegria de viver.

Há os que me fazem circunspecto e reflexivo.

Muitos me convidam a mudar de vida, a buscar um novo rumo.

Alguns me alertam para as pedras que encontrarei no caminho e me auxiliam a afastá-las.

Há aqueles que como auxiliares me fazem compreender outros.

Há os que me fazem resignar diante daquilo que não compreendo.

Há os que desmascaram o falso, o embuste.

Há os que me mostram a verdade.

Muitos que convidam a combater as deficiências.

Muitos me ensinam a pensar.

Outros não me deixam temer.

Muitos despertam em mim o ideal de ser melhor, de fazer o bem.

Determinados me convidam a praticar a generosidade.

Encontro em alguns um amigo, um confidente.

Não raro me indisponho com alguns. Não os quero.

Há aqueles que são tão bonitos que quero guardá-los por inteiro, espetando-os como borboletas, inertes em um cartão.

Há alguns que não me contento em lê-los uma ou duas vezes, os leio muitas.

Certos são tão intrigantes que penso em destrinchá-los, imaginando que me vão revelar um segredo.

Alguns me mostram o feio que há dentro de mim.

Outros me apontam para o superior.

Em alguns sinto paz, tranquilidade.

Outros me sugerem fazer muitas coisas e realizar proezas.

Em alguns encontro apoio para certos afazeres.

Em outros a ressonância do que a minha sensibilidade aponta.

Há os que me mostram aqueles pensamentos que devem ser desalojados de minha mente.

Há os que querem que eu enfrente situações que contrariam o meu comodismo.

Alguns não me deixam cair na inércia, querem que lhes dê alguma atividade.

Outros me infundem uma segurança no futuro.

Há os que me fazem confiar num amanhã repleto de realizações.

Em certos vejo claramente o objetivo de minha vida.

Em outros sinto a eternidade.

Em muitos experimento a alegria de viver, de estar vivo.

Em outros, a sensação de que viverei eternamente.

Há os que me infundem uma sensação de que jamais ficarei desamparado.

Em outros, a segurança de que não estou só.

Há os que são como os amigos, os quero a meu lado, me divirto e me distraio com eles.

Existem aqueles que me fazem sonhar e me elevam a regiões inimagináveis.

Em outros não acredito no que me dizem. Quero comprová-los, pô-los a prova.

Diversos afastam de mim o descontentamento e volto ao estado natural de boa disposição.

Muitos me estimulam a estar sempre bem disposto para o que der e vier.

Outros me fazem ver além do horizonte.

Alguns me apóiam em minhas atitudes.

Outros, aparentemente contraditórios, me dão a sensação de me estarem dizendo a verdade.

Nenhum deles não me defraudou.

Nunca me arrependi de ter dedicado a eles o pouco de meu tempo.

Sempre os encontro bem dispostos a me ajudar.

Não os quero longe de mim.

Quando me ausento deles, sofro as consequências desse afastamento que se reflete em meu estado de ânimo.

Junto deles acompanho com mais desenvoltura e eficácia os avanços desta Obra de Superação.

Sem eles não sei se conseguiria avançar no caminho da evolução consciente.

Através deles pude conhecer um pouco mais o seu autor e a respeitá-lo.

Ao lado deles, todos os problemas humanos parecem ter solução.

Eles convidam a lutar uma e mil vezes.

O contato com eles me faz sentir um ser digno.

Eles me mostram de forma eloquente os recursos internos que hão de me valer para superar as situações enfrentadas nesta vida.

Com eles tenho a sensação de que minha inteligência funciona melhor.

Em sua totalidade percebo que meu espírito se sente saciado.


3 comentários:

Reinoldo Klein disse...

Muito bom! Me identifiquei várias vezes com o que foi trazido sobre os ensinamentos.

UM BASTA À VIOLÊNCIA NA MÍDIA disse...

Os ensinamentos logosóficos são uma realidade comprovada que está gestando uma nova civilização mais consciente e humana!

Arilton Lorenzini disse...

Um lapidário de mil faces consentidas...